As Políticas Migratórias – Fischer, Hamidi.

Fischer, N., Hamidi, C. (2016) Les Politiques Migratoires. La Découverte. Paris.


Houve um incremento do número de migrações internacionais à partir dos anos 80, os autores apontam que, em 1975 os números passaram de 77 a 220 milhões de pessoas em 2017 (p.3). Em contrapartida, até os anos 90, as análises antropológicas, sociológicas, e geográficas sobre tal fenômeno costumavam focar sobre a migração de trabalho e processos de assimilação da população, assim como fatores de oferta e demanda (push/pull)(p.4).

Atualmente há uma mudança para que se compreenda o que Fischer e Hamidi chamam de plasticidade das redes: As ações migratórias são transversais, incorporando diversos setores da ação pública, Hammar (1985: 454[1]) é citado em sua definição de que a elas são união de políticas, atores e de instituições que regem a admissão e a integração de migrantes estrangeiros no país de acolha. Afinal, apontam os autores, são os estados que definem a migração como fenômeno jurídico ao categorizar migrantes como (cidadãos) nacionais e não nacionais (p.5). Continue reading “As Políticas Migratórias – Fischer, Hamidi.”

Síntese de mitos e simbolismo

Enquanto humanos, somos frutos do nosso meio social, nossas interações acabam por ditar nossas expectativas e criar impressões em nosso imaginário coletivo. Tribologia,  o estudo dos atritos, pode ser reaproveitado num contexto de ciências humanas, ele pode nos servir para que analisemos nossas interações sociais, nossos contatos, pois é a partir deles que formamos e transformamos os nossos sistemas simbólicos e nossos mitos. Continue reading “Síntese de mitos e simbolismo”