Arisa – La notte

Non basta un raggio di sole in un cielo blu come il mare, perché mi porto un dolore che sale, che sale. Si ferma sulle ginocchia che tremano, e so perchè.
Não basta um raio de sol em um céu azul como o mar, porque porto comigo uma dor que aumenta, e aumenta. Ela pára sobre os joelhos que tremem, e sei o porquê.

E non arresta la corsa, lui non si vuole fermare, perché è un dolore che sale, che sale e fa male; ora è allo stomaco, fegato, vomito. Fingo, ma c’è.
E não pára a corrida, ela não quer parar, porque é uma dor que aumenta, que aumenta e faz mal; hora é no estômago, fígado, vomito. Finjo, mas está lá.

E quando arriva la notte, e resto sola con me, la testa parte e va in giro in cerca dei suoi perchè. Né vincitori, né vinti; si esce sconfitti a metà. La vita può allontanarci, l’amore continuerà.
E quando chega a noite, e resto só comigo, a cabeça gira em busca de seus porquês. Nem vencedores, nem vencidos. Sai-se derrotado à metade. A vida pode nos distanciar, o amor continuará.

Lo stomaco ha resistito anche se non vuol mangiare, ma c’è il dolore che sale, che sale e fa male. Arriva al cuore lo vuole picchiare più forte di me.
O estômago resistiu apesar de não querer comer, mas há a dor que aumenta, aumenta e faz mau. Chega ao coração e o quer machucar, ela é chus forte que eu.

Prosegue nella sua corsa, si prende quello che resta, ed in un attimo esplode e mi scoppia la testa, vorrebbe una risposta, ma in fondo risposta non c’è.
Prossegue em sua corrida, prende-se ao que resta, e em um átimo explode e me golpeia a cabeça, queria uma resposta, mas no fundo uma resposta não há.

E sale e scende dagli occhi. Il sole adesso, dov’è? Mentre il dolore sul foglio è seduto qui accanto a me. Che le parole nell’aria, sono parole a metà. Ma queste sono già scritte, e il tempo non passerà.
E aumenta e escorre dos olhos. O sol agora, onde está? Entrementes a dor sobre o papel está sentada ao meu lado. Que as palavras no ar, são palavras à metade. Mas estas são já escritas, e o tempo não passará.

Cesare Cremonini – Mondo

Ho visto un posto che mi piace, si chiama Mondo; ci cammino, lo respiro, la mia vita è sempre intorno, più la guardo, più la canto, più la incontro. Più lei mi spinge a camminare come un gatto vagabondo, ma questo è il posto che mi piace si chiama Mondo.
Vi um lugar que me praz, chama-se Mundo, nele caminho, respiro-o; a minha vida é ao meu arredor, quanto chus a vejo, chus a canto, chus a confronto. Chus ela me força a caminhar como um gato vagabundo, mas isto é o lugar que me praz, chama-se Mundo

Uomini persi per le strade, donne vendute a basso costo; figli cresciuti in una notte come le fragole in un bosco. Più li guardo, più li canto, più li ascolto. Più mi convincono che il tarlo della vita è il nostro orgoglio. Ma questo è il posto che mi piace si chiama mondo. 
Homens consumidos pelas estradas, mulheres vendidas a baixo custo. Filhos crescidos em uma noite como os morangos em um bosque. Chus os observo, chus os canto, chus os escuto; chus me convencem que o verme da vida é nosso orgulho. Mas este é o lugar que me praz, chama-e mundo. 

Viviamo in piccole città nascosti dalla nebbia; prendiamo pillole per la felicità, misericordia; non siamo virgole, amiamo l’Inghilterra; Crediamo nell’eternità? Più mi guardo, più mi sbaglio, più mi accorgo che dove finiscono le strade, è proprio lí che nasce il giorno.
Vivemos em pequenas cidades escondidas pela neblina; Tomamos pílulas para a felicidade, misericórdia; não somos vírgulas, amamos a Inglaterra; cremos na eternidade? Chus me observo, chus erro, chus percebo que, onde terminamos a estrada, é bem lá nasce o dia.

Gira e gira e non si ferma mai ad aspettare, sorge e poi tramonta come un delfino dal mare; muove la sua orbita, leggero e irregolare; distribuisce sogni e ritmo buono da danzare.
Gira e gira e não se fecha nunca a esperar, sobe e desce como um golfinho no mar; move sua órbita, leve e irregular. Distribui sonhos e ritmos bons de dançar.

Mondo cade, Mondo pane, Mondo d’abitare; Mondo che ci salva, Mondo casa da ristrutturare; tutto è falso, tutto è vero, tutto è chiaro, tutto scuro; questo è il posto che mi piace, aldilà del muro.
Mundo cai, Mundo pão, Mundo de habitar; Mundo que nos salva, Mundo casa à reestruturar; tudo é falso, tudo é verdade, tudo é claro, tudo escuro; este é o lugar que me praz, neste lado, acolá do muro.

Laura Pausini – Tra te e il mare

Non ho più paura di te; tutta la mia vita sei tu; vivo di respiri che lasci qui, che consumo mentre sei via. Non posso più dividermi tra te e il mare, non posso più restare ferma ad aspettare.
Não tenho chus medo de ti; tu és toda a minha vida; vivo de respiros que leixas aqui, que consumo entrementes estás ausente. Não posso chus dividir-me entre ti e o mar, não posso chus restar fechada a esperar.

Io che avrei vissuto da te, nella tua straniera città. Sola, con l’istinto di chi sa amare; sola, ma per sempre con te. Non posso più dividermi tra te e il mare; non posso più sentirmi stanca di aspettare.
Eu que haveria vivido de ti, na tua estrangeira cidade. Só, com o instinto de quem sabe amar; só, mas para sempre contigo. Não posso chus dividir-me entre ti e o mar; não posso chus sentir-me estancada de esperar.

No, amore, no! Io non ci sto! O ritorni o resti lì! Non vivo più; non sogno più. Ho paura, aiutami! Amore, non ti credo più; ogni volta che vai via, mi giuri che è l’ultima. Preferisco dirti addio.
Não, amor, não! Eu não quero mais! Ou retornes ou restes aí. Não vivo chus; não sonho chus. Temo, ajuda-me! Amor, não te creio chus; cada vez que te vais, juras-me que é a última. Prefiro dizer-te adeus.

Cerco di notte in ogni stella un tuo riflesso; ma tutto questo a me non basta adesso cresco.
À noite, busco um reflexo teu em cada estrela; mas tudo isto, a mim não basta. Agora cresço.

Laura Pausini – Non c’è

Tu non rispondi più al telefono, e appendi al filo ogni speranza mia. Io non avrei creduto mai di poter perder la testa, per te. All’improvviso sei fuggito via, lasciando il vuoto in questa vita mia. Senza risposte ai miei perché. Adesso, cosa mi resta di te?
Tu não respondes chus ao telefone, e apendi ao fio toda esperança minha. Eu não creria chus poder perder a cabeça, por ti. Ao improviso fugiste; leixando o vazio nesta vida minha. Sem respostas aos meus porquês. Agora, o que me resta de ti?

Non c’è , non c’è il profumo della tua pelle; non c’è il respiro di te sul viso, non c’è la tua bocca di fragola; non c’è il dolce miele dei tuoi capelli. Non c’è che il veleno di te sul cuore; non c’è via d’uscita per questo amore. Non c’è, non c’è vita per me, più; non c’è.
Não ter, não ter o perfume da tua pele; não ter o respiro de ti sobre o rosto; não ter tua boca de morango; não ter o doce mel dos teus cabelos. Não ter além do veneno de ti sobre o coração; não ter via de saída para este amor. Não há, não há vida para mim, chus; não há.

Non c’è altra ragione che mi liberi l’anima; incatenata a notte di follia, anche in prigione me ne andrai per te. Solo una vita non basta per me. E anche l’estate ha le sue nuvole, e tu sei l’uragano contro me, strappando i sogni nei giorni miei; te ne sei andato di fretta perché, non c’è altra ragione per me.
Não há outra razão que me libere a alma; encadeada a noites de loucura, ainda que a prisões eu vá por ti. Só uma vida não basta para mim. E ainda que o verão tenha suas nuvens, e tu sejas o furação contra mim, arrancando os sonhos nos dias meus; foste embora de freima porque, não há outra razão para mim.

Se esiste un Dio, non può scordarsi di me anche se, fra lui e me, c’è un cielo nero, nero senza fine. Lo pregherò, lo cercherò e lo giuro, ti troverò. Dovessi entrare in altre dieci, cento, mille vite.
Se existe um Deus, ele não pode se esquecer de mim, embora entre ele eu haja um céu negro, negro sem fim. Pedir-lho-ei, buscá-lo-ei, e o juro, encontrar-te-ei. Mesmo que, para isso, eu tivesse que entrar em outras dez, cem, mil vidas. Fá-lo-ia!

In questa vita buia senza di te, sento che ormai per me sei diventato l’unica ragione. Se c’è un confine nell’amore, giuro, lo passerò; e nell’immenso vuoto di quei giorni senza fine, ti amerò. Come la prima volta a casa tua, ogni tuo gesto mi portava via, sentivo perdermi dentro di te.
Nesta vida escura sem ti, sinto que agora, para mim, tornaste-te a única razão. Se há um confim no amor, juro, passá-lo-ei; e no imenso vazio desses dias sem fim, amar-te-ei. Como a primeira vez na casa tua, cada gesto teu me portava além, sentia perder-me dentro de ti.

Laura Pausini – La solitudine

Marco se n’è andato e non ritorna più, e il treno delle 7:30 senza lui è un cuore di metallo senza l’anima. Nel freddo del mattino grigio di città, a scuola il banco è vuoto, Marco è dentro me; è dolce il suo respiro fra I pensieri miei; distanze enormi sembrano dividerci, ma il cuore batte forte dentro me.
Marco se foi para não chus retornar; e, sem ele, o trem das 7:30 é um coração de metal sem alma. No frio da manhã cinza da cidade, na escola o banco está vazio, Marco está dentro de mim; é doce sua respiração entre meus pensamentos; distâncias enormes parecem dividir-nos, mas o coração bate forte dentro de mim.

Chissà se tu mi penserai, se con i tuoi non parli mai, se ti nascondi come me, sfuggi gli sguardi e te ne stai, rinchiuso in camera e non vuoi mangiare; stringi forte a te il cuscino, piangi e non lo sai quanto altro male ti farà la solitudine.
Quiçá se tu pensares em mim, se com os teus não falas nunca, se te escondes como eu, escapas dos olhares e permaneces trancado no quarto sem quereres comer. Agarras o travesseiro com força, choras e não o sabes quanto mal mais te fará a solidão.

Marco, nel mio diario ho una fotografia: hai gli occhi di bambino un poco timido; la stringo forte al cuore e sento che ci sei fra i compiti d’inglese e matematica.
Marco, no meu diário tenho uma fotografia: há nela os olhos de menino um pouco tímido; aperto-a forte contra o peito e sinto que estou nela entre as tarefas de inglês e matemática.

Tuo padre e i suoi consigli, che monotonia. Lui con il suo lavoro ti ha portato via. Di certo il tuo parere non l’ha chiesto mai. Ha detto: -Un giorno tu mi capirai.
Teu pai e seus conselhos, que monotonia. Ele com o seu trabalho te levou para longe. De certo o teu parecer não te perguntou nunca. Disse: -Um dia tu me entenderás.

Chissà se tu mi penserai, se con gli amici parlerai; per non soffrire più per me, ma non è facile, lo sai.
Quiçá se tu pensares em mim, se com os amigos falares; para não sofreres chus por mim, mas não é fácil, sabe-lo.

A scuola non ne posso più, e i pomeriggi senza te; studiare è inutile, tutte le idee si affollano su te. Non è possibile dividere la vita di noi due, ti prego! Aspettami, amore mio.
Na escola não posso chus, e as tardes sem ti; estudar é inútil, todas as ideias se sobrecarregam sobre ti. Não é possível dividir a vida de nós dois, peço-te! Espera-me, amor meu.

Ma illuderti non so! La solitudine fra noi; questo silenzio dentro me è l’inquietudine di vivere la vita senza te. Ti prego, aspettami! Perché non posso stare senza te. Non è possibile dividere la storia di noi due. La solitudine.
Mas iludir-te não sei! A solidão entre nós; este silêncio dentro de mim é a inquietude de viver a vida sem ti. Peço-te, espera-me! Porque não posso estar sem ti. Não é possível dividir a história de nós dois. A solidão.

Eros Ramazzotti – Se bastasse una canzone

Se bastasse una bella canzone a far piovere amore. Si potrebbe cantarla un milione, bastasse già; non ci vorrebbe poi tanto a imparare ad amare di più. Se bastasse una vera canzone per convincere gli altri; si potrebbe cantarla più forte, visto che sono in tanti; fosse così.
Se bastasse uma bela canção para fazer chover amor. Poder-se-ia cantá-la um milhão de vezes, ja bastaria; não se precisaria de tanto para aprender a amar chus. Se bastasse uma canção real para convencer os outros; poder-se-ia cantá-la chus forte, visto que são tantos; fosse assim.

Non si dovrebbe lottare per farsi sentire di più, se bastasse una buona canzone a far dare una mano; si potrebbe trovarla nel cuore senza andare lontano, bastasse già; non ci sarebbe bisogno di chiedere la carità; dedicato a tutti quelli che sono allo sbando, che non hanno avuto ancora niente, e sono ai margini da sempre. Dedicato a tutti quelli che stanno aspettando, che rimangono dei sognatori, per questo sempre più da soli.
Não se deveria lutar para fazer-se sentir chus, se bastasse uma boa canção para fazer dar as mãos; poder-se-ia encontrá-la no coração sem ir longe, já bastaria; não haveria necessidade de pedir a caridade; dedicada a todos aqueles que estão à deriva, que não tiveram ainda nada, e são à margem desde sempre. Dedicada a todos aqueles que estão esperando; que permanecem sonhadores, e por isso sempre chus sós.

Se bastasse una grande canzone per parlare di pace, si potrebbe chiamarla per nome, aggiungendo una voce, e un’altra poi, finché diventa di un solo colore più vivo che mai; dedicato a tutti quelli che sono allo sbando, che hanno provato ad inventare una canzone per cambiare, che stanno aspettando, che venuti su con troppo vento; quel tempo gli è rimasto dentro in ogni senso; hanno creduto cercato e voluto che fosse così; hanno creduto cercato e voluto che fosse così.
Se bastasse uma grande canção para falar de paz, poder-se-ia chamá-la pelo nome, ajuntando uma voz, e uma outra pois, até que se torna de uma só cor mais viva que nunca; dedicada a todos aqueles que estão à deriva, que tentaram inventar uma canção para cambiar, que estão esperando, que vieram com muito vento, que o tempo lhes permaneceu dentro em todo sentido; creram haver buscado e querido que fosse assim.