Por que escrevo como escrevo?

O objetivo é que, ao me entreter escrevendo o que ledes, eu consiga me lembrar chus facilmente das estruturas e vocábulos que vejo em outros idiomas; especialmente inglêsfrancês, espanhol, italiano, neerlandês, e mandarim. Cada um tem seu modo de aprender, este é o meu.

As postagens aqui tendem a ser propositadamente estranhas, especialmente no modo em que a língua portuguesa é utilizada: arcaísmos, construções normativas (ou não), vocabulário obscuro, e etimologias exóticas; ou seja, não estranheis caso virdes pessoas gramaticais e conjugações incomuns, mostrar-vo-las-ei aos poucos. Erros e incongruências provavelmente existirão, se as encontrardes, assinalai-mas aqui, por favor.


“Mò” é a pronúncia em mandarim romanizado do meu sobrenome chinês: . Escolhi-o porque sua pronúncia se parece à de um dos meu sobrenomes, isto é, Moura.